TOQUE DE MÁGICA




Loving in an elevator… Livin’ it up when I’m going down

O Jet Lag praticamente não afetou sua animação. Pisar aquela terra encantada era ainda melhor do que sonhar deitado numa cama confortável. Era real. Acordou naquele dia especial, de férias, para realizar um sonho antigo, dos idos de sua infância sofrida. O sonho de conhecer a Disney.

Loving in an elevator… Lovin’ it up ‘til I hit the ground

Aprendeu com os filhos que esperar pelo presente podia ser melhor do que brincar com ele. O segredo seria permanecer ocupado. Aproveitar cada segundo. Sabia de antemão como desfrutar cada hora daquele dia tão aguardado.

I kinda hope we get stuck

Neste exato momento, ele está numa missão. Mal aterrissa um pé e o outro decola. Estica a perna a cada passo.

Nobody gets out alive

Alcança a atração do Aerosmith. Ao invés de entrar na fila, desvia dela e estaciona em frente a uma banquinha vermelha. Falta mais de uma hora para o almoço e as crianças já estão com fome... de pipoca. Enquanto a mãe ficou no brinquedo, o pai foi providenciar o desejo dos pequenos. Avistou uma jovem no balcão com cara de uns vinte anos. Cabelos negros estilo channel. Sua pele tinha cor de doce de leite. Esbelta, de rosto quadrado. Olhos grandes e penetrantes. Apesar de exótica, ou talvez até por isso, formava uma bela composição.

She said I’ll show you how to fax in the mailroom honey

Uma gota brotou no canto da testa, mas não foi do calor. Habituado a blazer e gravata, vestir camiseta e bermuda era como ter um ar-condicionado a céu aberto. Ela abriu um sorriso inocente, convidativo. Um pouco destrambelhado, ele chegou ao balcão. “May I help you?” disse ela. Ele hesitou um pouco, mas depois desembestou a falar “ah meu santo pai. E agora, como é que eu vou fazer isso? Olha aqui, moça, eu preciso de quatro pipocas... QUA-TRO… E mais refrigerante. Só que eu não sei como pedir isso, nem sei quanto que vai custar essa brincadeira. Como é que a gente vai fazer? Eu não falo nadica de nada de inglês...” Com um sorriso maroto, ela retrucou “rá! Eu sou brasileira.”

And have you home by five

Tomado por uma emoção redentora, ele não se conteve e abraçou a moça. Ela deu dois risinhos e continuou “então são as quatro pipocas... os refrigerantes são grandes ou pequenos?” – “tudo grande; é melhor sobrar do que faltar.”

In the air, in the air…

Se na noite anterior ele tivesse o mínimo vestígio do que estava pra acontecer, jamais teria perdido tanto tempo planejando. Simplesmente teria aproveitado mais com sua mulher. É uma rara ocasião essa de as crianças ficarem em quartos distantes.

Honey one more time now it ain’t fair.

Ela disse “vai ficar por...”, mas ele interrompeu com a palma da mão estrelada, “péra um pouco, minha filha, acho que ouvi meu celular...”. Levantou a camiseta, abriu a pochete e sacou o aparelho: “á-aaaaalô.... tudo, tudo... e por aí? ...ãhã... ...péra, péra, VOLTAR? Como assim, voltar?... e não dá pra falar por telefone? ...mas estou de férias... sim, estou viajando, é meu primeiro dia aqui; tô com a minha família ...... ãhã.... sim, eu entendi, mas.... ãhã.... o CEZAR?! CEZAR GOLDMAN??? ...não, tá, então tá, né? ....é, fazer o quê, né? Que horas é o vôo? ...mas já?? ...conexão ainda por cima? ...é, também sinto muito. Tá, daqui a pouco estou aí.”

Goin’ doooooown!

“Dá pra acreditar?” foi tudo o que PC conseguiu comentar. Num estado catatônico, ele pagou, acomodou as guloseimas entre os braços e agradeceu. A jovem achou melhor abortar o protocolo e poupá-lo do script “Have a Magical Day.” Dois passos adiante, ele pensou alto “e agora, como é que eu vou contar isso pra Regina?”. A jovem, esperta, logo comentou como quem não quer nada “seja positivo... lembre-se: você está num reino encantado!”. Ele arqueou as sobrancelhas, “hmm”, acenou e disse “é, talvez você esteja certa. Obrigado por tudo. Eu sou o PC e hoje você foi minha fada.”

Related

storytelling 2415860446862857379

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item