A JORNADA COMEÇA AGORA

"


Dois alunos do curso de Inovação em Storytelling já estão se preparando para o extensivo. 


Nada melhor para esquentar os motores do que escrever uma história. Li a primeira versão e dei um feedback, que o Professor Bruno Scartozzoni identificou que merecia se tornar um post.


Olhando assim, é verdade. Esse texto pode ser útil pra todos aqueles que acabaram de começar a contar uma história.


PAM-PARARAMMM!


Graças ao trabalho apresentado vocês acabam de desbloquear a badge "I GOTTA A STORY, BABY!"


A badge dá acesso ao conteúdo inicial do curso STORYTELLING EXTREME - NARRATIVAS AVANÇADAS!

Parabéns! :)

O Curso avançado começa assim:

Talvez a maior perda para o escritor nos tempos digitais tenha sido o aperfeiçoamento esportivo. 
Sim, é verdade. O escritor perdeu o esporte.
Para ser mais específico, o escritor perdeu o basquete. 

Veja qualquer filme antigo e, quanto tiver escritor, pode ter certeza, junto com ele vai aparecer o cesto de lixo lotado de bolas de papel.

Vamos ver o que o velho Hemingway pensa disso... Interceptamos uma confidência dele para o Fitzgerald!

“I write one page of masterpiece to ninety one pages of shit,” 

Pois é, meus caros, mas não se animem... essa proporção 1 página genial pra cada 91 escritas é apenas para os profissionais com pelo menos 3 livros publicados. 

O que eu quero dizer com isso?
Preparem os lápis!

Qualquer coisa em criação sofre de um mal: a síndrome da primeira ideia.

É a primeira solução que aparece. Ela resolve o problema e até por isso se torna muito tentadora.

O problema é que quase sempre essa ideia é básica, desprovida de grandes atrativos.


Ela faz o que faz o Jornal Nacional: informa. Mas ela não faz o que faz Hollywood.
Eis que vem o twist: existe uma solução genial para essa síndrome.

Um antídoto, que também é uma espécie de prêmio para os criativos mais persistentes.

Trata-se de...

voltar a ser criança e brincar com as coisas.

Isso mesmo.

Divertir-se.

Acionar o MODO CURIOSO ON.


Você já tem o seu protagonista. Ótimo!

Ela chama Lia. Legal.

Mas e aí?
Lia? Quem é Lia?
O que ela faz da vida?
Por que ela faz isso?
Quem é o melhor amigo dela?
Será que eu seria amigo dela?
O que ela despertaria em mim? Atração? Repulsa? Medo?
Enquanto a resposta for 'indiferença', a personagem ainda está presa na síndrome da primeira ideia.
Eis a parte matemática do Storytelling, meio que uma "regra de três": enquanto não houver algo interessante sobre o protagonista, ele e tudo na história dele serão boring.
Tem que brincar com o personagem. 
E assim embarcar numa viagem com a Lia.
Porque o lance da narrativa não é falar sobre o personagem em si, mas sobre o que há de interessante nele.

E essa viagem acabar indo para outras viagens.
Quem são essas entidades?
Será que o caminho é mesmo trabalhar com entidades?
Como o Neil Gaiman faz para narrar entidades e ainda assim fazer com que sejam mais que arquétipos: menos deuses e mais humanos.

O que acontece na mitologia grega? 
É fato que cada Deus tem uma 'função' - do vinho, da guerra - mas no frigir dos ovos, nenhum deles é funcional.
Hey! Só por vingança, um deus serve o filho de outro no jantar.

Um processo parecido com a ganhadora do Pulitzer de Ficção em 2011:

E o aconteceria com a Lia se, devido a uma conjunção cósmica do destino, fosse levada a participar da reunião de briefing da Coca-Cola para a W+K?
Ou então numa conversa entre George Lucas e Steven Spielberg.... em que eles estivessem discutindo como criar o Indiana Jones. Já pensou?

Ela tem que estar em lugares que vocês queiram estar. Ou então, por que eu vou querer estar?

Storytelling é um feitiço. O storyteller é um mago. O que ele faz? Transporta as pessoas para um outro estado emocional: o dele.

A narrativa é a última parte. Tem que ter boas laranjas para fazer um suco. 
Comecem plantando as laranjeiras.

Related

tema para história 6917025193982632209

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item