A SOPA DE PEDRA E UM BOM INGREDIENTE PARA UMA HISTÓRIA



Mônica chegou a tempo de ajudar Tia Aldete a carregar o carrinho da feira para o lado de dentro. Com um sorriso no rosto a dizia o quão linda Mônica estava depois de tantos anos. A moça, também sorrindo, perdeu a concentração no discurso de Tia Aldete e percebeu, do outro lado da rua, um jovem de cabelos longos, sem nenhum corte e roupas rasgadas, arrumando o que parecia ser um fogão improvisado.

 O rapaz avistou Mônica, curiosa, do outro lado da rua, agarrou sua panela e foi até a moça. Mônica o atendeu na porta. Ele pediu-lhe educadamente para que enchesse a panela de água para que ele pudesse fazer uma sopa para aquecê-lo naquela manhã fria. Mônica foi até a cozinha e voltou com a panela cheia de água. O rapaz voltou para o seu canto na praça em frente a casa, acendeu a pequena fogueira entre os tijolos, buscou um pedra lisa do tamanho do seu punho de dentro de sua mochila. Ao ver essa cena Mônica foi até o rapaz do outro lado da rua perguntar o que é que ele estava fazendo.

- Uma sopa de pedras - respondeu o garoto como se fosse a coisa mais normal do mundo. - aprendi a receita com a minha avó quando perdemos nossa casa e fomos morar nas ruas. Essa pedra é mágica e faz a melhor sopa do mundo. -  Mônica não sabia o que dizer ou como reagir, apenas olhou para a panela com a pedra em água fervendo. - É claro que ficaria muito melhor se eu tivesse uma cebola. Minha avó costumava me deixar cortar a cebola para a sopa, primeiro tira a casca, depois divide a cebola em quatro e joga com as pedras na água.

 A moça, tocada pela maneira carinhosa com a qual o garoto falava de sua avó, tomou seu rumo para dentro da casa de Tia Aldete, correu até a cozinha e pegou uma cebola em uma das sacolas de feira. Voltou até o garoto e ainda sem dizer nem mesmo uma palavra esticou a mão revelando uma cebola.

Mônica ainda não entendia como é que alguém seria capaz de comer aquilo, água, cebola e pedras e ainda sair por ai dizendo que era a melhor sopa do mundo. O garoto pegou uma colher de sopa de sua mochila, retirou da panela um pouco da água e experimentou sua sopa. - Falta alguma coisa - concluía o garoto - Faz tanto tempo que eu não faço uma dessas que eu me esqueci. Minha avó costumava pegar umas cenouras em um restaurante perto da praça onde dormíamos.

 Mais uma vez Mônica entrou na casa de sua tia, assaltou mais uma de suas sacolas de feira e voltou com uma cenoura em mãos para entregar ao jovem cozinheiro. E assim foi, cada vez que ele contava uma parte de sua história com sua avó e se lembrava de um ingrediente da receita, Mônica se levantava e buscava seus legumes e verduras. Quase uma hora depois a panela estava cheia de cenoura, cebola, batata, feijão e espinafre. O garoto retirou de sua mala uma caneca de plástico e virou o conteúdo da penela. A sopa estava pronta. - Quer experimentar? - perguntou o garoto estendendo a caneca na direção de sua bem feitora. Mônica não resistiu ao convite, a receita que o garoto descrevera em sua história parecia deliciosa. Ao provar a sopa Mônica ficou impressionada com o sabor, aquela era realmente uma ótima sopa.

- Só tome cuidado para não comer minha pedra mágica, tá bom moça? - Disse o garoto sorridente enquanto comia sua sopa.

 Minha avó costumava me contar essa história quando eu era pequeno e eu sempre fui fascinado pela maneira como esse garoto convenceu a moça e lhe dar todos os ingredientes que ele precisava para a sua sopa. Hoje quando penso nesse conto eu percebo que a minha avó estava me ensinando o poder da curiosidade. Histórias são sempre sobre ter mais perguntas do que respostas.

Related

storytelling 7254509479099372457

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item