NENHUMA CULPA NO FÊNOMENO “A CULPA É DAS ESTRELAS”




“Nós somos infinitos”

“Alguns infinitos são maiores que outros…”.

Se você ainda não leu ou viu A Culpa é das Estrelas, aviso que esse post contém spoilers. O filme lançado há três semanas está em 2º lugar no Brasil, e já teve mais de 3,5 milhões de espectadores. O livro lançado em 2012 vendeu mais de 1,2 milhões de exemplares em nosso país, mas com o filme ganhou fôlego e dobrou a média de vendas semanal.  Em janeiro de 2012, o livro ocupou o primeiro lugar no gênero da importante lista dos best sellers do The New York Times e seu autor incluído na lista da revista Time por estar entre as 100 pessoas mais influentes do mundo.

O autor desse movimento young adult (jovem adulto) é John Green, americano de 36 anos que escreve desde 2005. Seu primeiro livro, Quem é você Alasca ganhou em 2006 o Printz Award, quando ele então tinha 28 anos. Em 2007 criou com seu irmão Hank Green o canal de vídeo blogger VlogBrothers, que hoje tem mais de 2,1 milhões de assinantes no YouTube.

John é um adepto das redes sociais e usa o meio através da linguagem jovem. Ele faz sucesso tanto nas livrarias quanto na internet. Ele e seu irmão falam um com o outro no blog, como caras comuns, com leveza e humor. Isso continua atraindo muitos jovens que se identificam com essas “falas”.

Voltando ao filme, a história central é sobre Hazel Lancaster e Augustus Waters. A adolescente Hazel é diagnosticada com câncer se mantém viva graças a uma droga experimental. Após passar anos lutando contra a doença, seus pais imploram para ela participar de um grupo de apoio cristão. É nesse lugar que ela conhece Augustus, um rapaz que também sofre com câncer. Com visões muito diferentes sobre suas doenças eles “se estranham” logo no início. Hazel pensa apenas na dor que poderá causar aos outros e Augustus sonha em deixar a sua própria marca no mundo. Vivem os principais conflitos da adolescência, como a virgindade de Hazel e o primeiro amor, compartilham as dores da doença, brigam nas diferenças enquanto lutam para se manter otimistas e fortes.

A leitura é rápida, mas intensa. Pesa no coração lidar com a possível morte eminente dos personagens. No entanto, gera leveza e esperança para viver um dia de cada vez e a vontade de deixar um legado “aqui e agora”. A história transborda emoção.

A crítica estava muito apreensiva com a possibilidade de uma leitura clichê ou até manipuladora e apelativa para o problema do câncer. O livro recomendado por uma querida aluna, de 20 anos, arrancou muitas risadas, lágrimas e até raiva.  Não se sabe muito sobre o passado dos personagens principais e coadjuvantes. Também não se sabe do futuro: o que terá acontecido com Hazel?  É uma história sobre o presente e a vida presente desses personagens.  Com leveza mostra a realidade desses seres humanos sem explorar a doença. A patologia não é o centro da atenção, e sim as emoções profundas de Hazel e Gus. O projeto de Green é honesto e nada manipulador comparado à grande maioria das obras do gênero.

 A inspiração criativa de Green aconteceu num evento do Harry Potter onde ele conheceu Esther Earl, uma adolescente de 15 anos famosa por seus vídeos no YouTube, vítima do mesmo câncer que Hazel apresenta no livro: câncer na tireoide com metástase nos pulmões. Apesar de o autor negar que o livro seja sobre Esther, ele afirma que sem ter conhecido a garota, não teria escrito o livro. Após a morte de Esther escreveu sem parar impulsionado a apoiar a instituição criada em sua homenagem “This Star Won’t Go Out” e quem sabe como um tipo de catarse pelo sofrimento pouco depois do seu aniversário de 16 anos. A história real se mesclou a tentativas anteriores sem sucesso de escrever sobre a luta contra o câncer. O resultado, o best-seller A Culpa é das Estrelas.

 O tom da história é similar à comédia dramática independente norte-americana-indie (quase um novo gênero cinematográfico) de “As Vantagens de Ser Invisível” que também foi inspirado num livro. Trata-se de um drama adolescente que mostra a juventude de forma dura e ao mesmo tempo afetuosa. Ambos refletem  a questão essencial da marca deixada por cada ser humano ao redor daqueles que os amam. Charlie é um jovem solitário que já passou por traumas em sua vida. Convive com o suicídio recente de um amigo e as lembranças da morte da tia em um acidente. Ele tem dificuldades em encontrar novos amigos na nova escola e enfrenta todas as tribos do  colégio que já estão formadas e não deu espaço para sua entrada. Está saindo de um momento delicado em sua vida e precisa lutar contra a depressão.

Os dois filmes e livros exploram a metáfora do infinito para enfrentar o esquecimento, a passagem do tempo e o medo da morte.

Mas o que faz essas histórias, serem sucesso de audiência para uma geração tão conectada? Arrisco dizer que é a própria conectividade: do storytelling-pela transfusão de emoções- as redes sociais com seus diferentes formatos que conectam pessoas comuns. Estamos muito próximos às histórias de vida das pessoas. A rede aproxima a possibilidade de identificação com essas histórias. Histórias factíveis, perguntas profundas sobre morte e vida e quem conhece ou perdeu alguém sabe como o conflito de "aproveitar a vida em quanto é tempo" é difícil.  A simplicidade de linguagem e da construção dos personagens ajuda. Eles são reais, de carne e osso, sem espaço para imaginação e sem tempo a perder. Não são ricos nem pobres, nem bonitos e nem feios. Não são extremamente inteligentes. São comuns.  É o oposto dos sucessos do gênero ficção-fantasia dos filmes e livros como O Senhor dos Anéis. Há um time bomb para as vidas de Hazel e Gus, mas sem apelar para auto piedade e vitimização, o autor da história brinca com fragilidades humanas num formato comovente.

Identifico muitas das frases do livro na fala de alunos e jovens com que trabalho como, por exemplo:

“Você está tão ocupada sendo você mesma que não faz ideia de quão absolutamente sem igual você é.”

“Eu gosto de ser gostado.”

“É melhor ser amado profundamente do que amplamente." 

E a minha favorita: “Okay? Okay.”  Simples assim, uma frase quase imagética que você só percebe que tem enorme profundidade ao “ler esses jovens”.

Conectado, John Green conversa com uma parcela dessa juventude, estabelece contato, dialoga e abre espaço para a voz desse jovem. Denomina seus fãs de nerdfighters e pede ajuda, brinca com seus seguidores, provoca conversas, questiona assuntos. São mais de 30 memes sobre Green, centenas de tumblers criados pelos fãs do livro, blogs e mais blogs, mais de 2 milhões de seguidores no twitter fora os endereços não oficiais, 6 milhões de likes no Facebook e incríveis 151 milhões de resultados no Google para o nome do livro em inglês!

 Há trechos do filme e no livro que mostram afinidades comuns entre Hazel e Gus, ou qualquer outro par ao descobrir um amor: uma banda favorita, um time, um filme, um livro. Hazel deseja conhecer pessoalmente o autor de seu livro favorito e fictício           “Uma Aflição Imperial de Peter Van Houten, um escritor holandês”. Gus segura um cigarro entre os dentes, mas sem acender, talvez como uma metáfora de que ao fumar ninguém pensa que pode morrer. Mas se acender, levará isso para seus pulmões e poderá morrer, por outro motivo. Ao mesmo tempo é como um pequeno desvio usado para se expressar. Não existe o product placement de marca de cigarros (felizmente), foi criada uma marca exclusiva a Golden Hare. Outra marca fictícia criada é da banda The Hectic Glow que ambos gostam.

Jovens com seus dilemas sobre o que fazer da vida, consumindo ao mesmo tempo histórias incríveis de pessoas geniais que tomam por ídolos, mas vivenciando a vida comum de “ser humano”.

O fenômeno dessa história criará cópias mal feitas, mas também inaugura um novo gênero literário e cinematográfico. Denominei esse tipo de história de “Simples Cara Comum” referenciando o arquétipo. Tem drama, conflito, dilema e uma jornada, mas ao contrário de roteiros que seguem o Rebelde ou Herói, o mote é a simplicidade, a humanização através da dor que precisa ser sentida (muitas vezes rara no cinema), a proximidade de pensamento entre jovens, a necessidade de se ancorar na verdade, “aparentemente o mundo não é uma fábrica de desejos”.

Em um contexto onde o ato de ser feliz é cobrado vorazmente –razão de muitos jovens terem odiado o livro e filme- histórias como essa nos aproxima da limitação e finitude de sermos humanos. E essa é a conectividade emocional que só uma boa história pode dar. Somos finitos, mas podemos ter uma vida mais interessante.







Related

OS CONCEITOS DE STORYTELLING 5029757489929428374

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item