Será que vai chover?



Um sorridente “Acho que sim”, para os simpáticos. Um entusiasmado “Acho que sim, mas espero que não cause estrago que nem ontem, aliás, você chegou a ver o jornal?”, para os falantes. Um cortante “Não”, para os impacientes.

Mesmo que nos últimos tempos a resposta correta dessa pergunta tenha ganhado tanta importância para o futuro cantareiro de São Paulo, ela geralmente não importa muito. Na verdade, a pergunta “Será que vai chover?” e suas irmãs “Que calor, hein?” e “Tá frio lá fora?” têm um objetivo bem mais cotidiano: apenas puxar papo. Os elevadores, os táxis e as salas de espera já foram cenários de inúmeras tentativas meteorológicas de acabar com aquele silêncio terrível que assola os desconhecidos.

Mas porque esse silêncio é tão terrível? Calma, não precisamos entrar em depressão existencial para responder essa pergunta. Na verdade, não precisamos respondê-la (pelo menos não aqui). Aqui, basta entender que esse comportamento curioso que atinge as senhorinhas que encontram seus síndicos nos elevadores de seus prédios também pode afetar a comunicação de maior escala, e, por que não, o Storytelling.

Hoje, muito se fala sobre a comunicação 360 e 365, ou seja, conversar com o cliente por meio das várias plataformas com quais ele tem contato (360), durante os vários momentos do seu cotidiano (365). Isso é difícil. Mas não é impossível. O que é impossível (ou quase) é ser capaz de gerar conteúdos relevantes em tantas conversas, ou seja, ser capaz de contar boas histórias o tempo inteiro.

Às vezes, nessas conversas 360 e 365, podemos mandar um “Será que vai chover?”, apenas na tentativa desesperada de impedir que o silêncio constrangedor impere. E então, a relevância é comprometida, e apenas recebemos uma resposta automática (ou não) daqueles com quem falamos. Mesmo que isso não pareça ser um problema para aquelas senhorinhas do elevador, pode ser um problema para marcas que querem manter um bom relacionamento com o consumidor.

Por isso, é importante entender que a urgência de falar o tempo todo talvez não signifique literalmente falar o tempo todo, mas saber incluir os silêncios assustadores entre as conversas. Da mesma forma, talvez não precisemos contar frenéticas histórias atrás de histórias, mas saber contar as histórias certas, respeitando suas pausas e ausências. “Será que vai chover?” pode ser um gesto de simpatia, mas falar só sobre isso todos os dias é mais chato que conversa de elevador.

Related

storytelling 5053758103548728978

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item