Storyteller o mestre dos jogos de RPG


Contar boas histórias em mundos fantásticos aonde seus amigos são transformados em guerreiros, bárbaros e monstros terríveis assolando vilas apenas por diversão... é, parece intrigante!
Essa premissa parece um grande desafio ao narrador, quando se fala de Storytelling, entretanto como todos sabemos e lemos (neste blog por exemplo) contar histórias não é uma coisa nova e imergir um grupo de pessoas dentro do seu roteiro interativo também não.

Na década de 70 dois jovens ( Gary Gygax e Dave Arneson ) fãs da literatura de Tolkien resolveram misturar algumas mecânicas de jogos de tabuleiro como War, com o universo fabuloso do Senhor dos Anéis. Eles pensaram em reunir alguns amigos em torno de uma mesa, aonde cada um deles pudesse interpretar heróis e tomar decisões difíceis para enfrentar os perigos do mundo medieval. Com dados esses garotos simulavam golpes de espadas ou machados se cruzando em meio a batalhas de vida ou morte... outros ficavam mais afastados, com seus chapéus de mágicos, cantando mantras para invocar poderes místicos e ajudar seus aliados a enfrentar aquela fera com rosnado mortal, congelando a alma e a esperança contida nos olhos de cada aventureiro - sim, acho que me empolguei na descrição. 

Alguns de vocês já devem ter percebido que estou falando de RPG ou Role Playing Game. Esse jogo de interpretar "papéis" ficou muito famoso na década de 80 e 90, criando posteriormente o gênero de RPGs eletrônicos e os MMORPGs (online e massivos como o World of Wacraft, um jogo de roubar vidas hehe). Esses players são verdadeiros "mestres" em contar histórias envolventes... sim mestres como são chamados os principais jogadores. Um mestre é responsável por criar o roteiro, ambientar o mundo, planejar as ações emocionantes e descrever cenas de combates. Além do mais divertido que é pensar e interpretar todas as outras figuras que podem aparecer na vida dos seus jogadores. (os chamados NPCs). Cada reunião do grupo ou sessão de RPG é um tipo de episódio de seriado, com uma aventura que pode se estender gigantescamente para o que chamamos de campanha - com temporadas e tudo.


Quando comecei a ouvir as primeiras menções ao termo Storytelling no meio publicitário, estava ainda cursando a faculdade e tudo ficou bem confuso para mim, um RPGista há mais de 15 anos. Isso porque Storytelling é exatamente o nome de um sistema de jogo de rpg que havia se tornado muito popular, primeiro sobre o nome de Storyteller em 89. Inclusive, nesse sistema o mestre ainda é chamado de Storyteller e para terem ideia da importância desse jogo seu cenário principal, "Vampiro a máscara" é uma das grandes influências da cultura pop para filmes e outras obras sobre os seres das trevas - ok, esqueçam a saga crepúsculo.

Então percebi, que um simples jogo começou a se tornar uma oportunidade para muita gente, quando descobriram como contar histórias e se divertir era um ponto chave para se conectar emocionalmente com seu público. A revista superinteressante mostrou recentemente, uma entrevista com Maurício (aqui) , que Fundou sua empresa com Mark Warshaw, um dos responsáveis pelas estratégias por trás do conteúdo 360º da série Heroes.
Uma das coisas que mais me chamou a atenção na fala dele foi o fato de que ter jogado RPG na adolescência se tornou um grande diferencial em sua carreira vitoriosa. Uma carreira que começou quando ele tinha só 15 anos. Nessa época, Maurício criou um kit de ensino baseado em RPG. Ele ia a escolas e feiras vender o jogo Autorias e assim começou sua primeira empresa.
O autor do artigo para a revista, Fred Di Giacomo não deixou de citar sua experiência com o game:

Eu joguei RPG na adolescência. Muito. Pelo menos dos 10 aos 17 anos. Mais ainda, eu li dezenas de livros de RPG que basicamente te ensinavam como criar uma boa história (e se sua história fosse ruim, seus amigos desistiam do jogo, iam assistir TV e nunca mais voltavam), como desenvolver um personagem (quais suas características principais, suas motivações, seus pontos fortes e fracos) e também te familiarizavam com “mecânicas de jogo”. As mecânicas de cada RPG (GURPs, AD & D, Desafio dos Bandeirantes, etc) eram a física daquele universo. As regras da vida.

Claro, que a evolução tecnológica também influenciou os narradores de RPG. Hoje podemos utilizar várias técnicas para manter cativo o nosso grupo e aumentar a experiência que temos com o jogo. Algumas vezes eu gosto de planejar ações como um tipo de ARG. Enviar emails com contas de personagens criados por mim... criar alguns grupos secretos de organizações misteriosas no Orkut e isso deixava todos sedentos pelo próximo encontro.

Vocês devem estar pensando "Ora, um cara com o poder total sobre um grupo, o mundo que ele vive e todas as coisas que o envolvem pode ser frustrante". Sim, mas apesar de ser chamado de Mestre ou narrador esta figura tem um único papel, criar experiências divertidas. Assim como em uma estratégia de Transmidia Storytelling, acredito que você deva buscar um equilíbrio entre os estímulos e respostas das pessoas que estão imersas na sua história ou a experiência pode não sair como o planejado e será bem mais difícil convencer as mesmas pessoas a jogar novamente.

Contar histórias é realmente uma arte, não importa se é em um jogo ou nas telas do cinema, você deve saber manter seu público atraído pelo que está sendo contado. O RPG é uma excelente oficina para Storytellers, afinal é uma ótima chance para conhecer mundos diferentes e testar o quanto seu machado anda afiado.

Quem quiser saber mais desse universo de jogo será muito bem vindo na nossa taberna, que chamo de Blog (aqui). Ao entrar fechem as portas para evitar os Trolls e fiquem a vontade para me seguir no twitter @O_RPGista - minha percepção apurada logo avisará que tem gente nova por lá.


Fonte das imagens: Devianart

Related

RPG 3906293667578237275

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item