EMOÇÃO



Desliguei o telefone com um sorriso no rosto. Fazia tempo que alguém não me fazia feliz assim. Estava tudo tão certo que o texto começou a sair, de fininho, sem alarde, sem problemas, sem desgosto nenhum. Era uma história simples, um pequeno conto sobre um garoto simples que descobriu um mundo inteiro escondido na biblioteca da escola. O primeiro livro, alguma versão, ao estilo disney, de Alice no País das Maravilhas, fez com o meu personagem o que a minha ligação fez comigo. É incrível como essas pequenas coisas da vida parecem fazer tudo ficar mais fácil, mais leve. Por alguns minutos, dois ou três parágrafos, eu escutei o silêncio. Só com muito bom humor para escutar o silêncio no centro de São Paulo. 

O telefone tocou e o mundo parou, quer dizer, o mundo do menino do meu conto. Olhei em volta e parecia sair de um transe, reconheci o lugar e me lembrei por que estava acordando. Era o telefone, não conhecia o número, mas não importava, estava feliz demais para ignorar alguém. Atendo o telefone e escuto a voz da minha irmã, um tanto nervosa, mas ela é sempre assim, então ignorei. 

- Tudo bem? 

- É, tudo... tudo bem sim... e você? Tudo bem? Tá trabalhando?

- Sim, sim... tenho que terminar um conto... e você, onde tá? 

- Eu... bom... eu estou aqui... no Dr. Lucas. 

- Tá fazendo o que ai? Tá tudo bem mesmo? 

- Então... tá tudo bem sim... quer dizer... é Juju... ela não tá muito bem não. Mas, ó, fica tranquila, deve ser só uma virose ou alguma coisa do tipo. 

- Nossa, credo! A Juju é a mais nova de todas não é? 

- É sim... bom, tenho que ir, liguei pra saber se você vai jantar com a gente amanhã? 

- Vou, vou sim... preciso voltar pro meu conto também. beijos. 

- Tá bom... beijos. 

Desliguei o telefone e voltei pro conto. Percebi que meu computador precisava de uma limpeza. Não tinha visto aquele pó todo. O Bruno, o menino do texto, já tinha terminado seu primeiro livro. Agora ele estava lendo outro. "Marley e eu"... curioso como só percebi que livro era depois de alguns parágrafos. E No fim do livro o Bruno estava triste, mas eu estava feliz demais para deixá-lo assim. 

- Mônica, tudo bem?

- Tudo sim, Karina, o que foi agora? 

- Então, Mônica... é a Juju, ela teve que operar e.. 

- Como assim? Operar? Nunca ouvi falar de operação pra virose? Que que tá acontecendo?

- Não é virose, é câncer, Mônica... a gente já sabia mas não queria te contar, não era pra falar nada pra mamãe. 

- Câncer? a Juju tem Câncer e você não me disse nada? Nem pra mãe? Tá louca meu?

- Então, Mônica, a Juju morreu. 

- Como assim, a Juju morreu? Você é triste viu... e agora, quem vai contar pra mãe isso ai?

- Então, eu conto, né... mas, você não queria ir lá pra casa, dar uma força? 

- Tá bom, tá bom... eu vou, mas tenho que terminar esse conto antes. 

Desliguei o telefone sem dar tchau nem nada. Voltei pro Bruno. Agora o conto era como um choro, pausado, engasgado, difícil de sair. O Bruno, coitado, cada vírgula uma lágrima. Não acredito que nem o Lucas me ligou. Quer dizer, Dr. Lucas. A gente cresce junto, brincando de carrinho de rolimã e agora o moleque se forma em veterinária e quer ser chamado de doutor.  Tentei me concentrar, mas o barulho era tanto que a folha não ia entender muito bem o que eu queria dizer. Ruídos estranhos me separavam do Bruno. Quem chorava na verdade era eu, no fim das contas, nem terminei o conto. 

Related

transfusão de emoção 8097454085041894717

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item