PORQUE OS CONTADORES DE HISTÓRIAS TÊM BOA MEMÓRIA E APRECIAM BONS VINHOS


E se não existissem histórias? Esse recurso amplamente utilizado no storytelling pode ter servido de inspiração para a criação desse conto de origem africana. O autor não se sabe ao certo. O conto foi recolhido na tradição oral da África ocidental e está recheado de simbolismo e elementos mágicos. Não estamos falando de um sabre de luz, mas um elemento comum na região: um pássaro. Mas não é qualquer pássaro. Ele tem algo especial. Temos também uma bebida, que carrega forte simbolismo religioso. E no retorno com o elixir ainda ganhamos uma preciosa dica para colocarmos em prática com o storytelling que fazemos hoje. 

Por isso sou apaixonada pelas histórias africanas.   




Porque os contadores de histórias têm boa memória e apreciam bons vinhos

Os pássaros não podem escrever, eles têm penas demais.
Ora, conta-se na África ocidental que no início dos tempos não havia histórias e também não havia sabedoria. O mundo era muito triste. Por isso, o primeiro contador de histórias foi também o primeiro buscador de histórias que saiu pelo mundo afora acompanhado de um pássaro-escrivão: o marabu.

O marabu é o único pássaro que sabe qual das penas do seu traseiro deve ser arrancada para que, com ela, se possa escrever, o que faz dele um pássaro especial. É por isso que foi escolhido para sair pelo mundo, pousado no ombro do primeiro buscador e contador de histórias.
Andaram pelo mato afora, pela savana e ao longo dos rios para escutar os ventos, as pedras, as águas, ás árvores e os animais. E encontraram muitas pessoas até então desconhecidas que iam lhes contando suas histórias.

Munido da pena arrancada de seu traseiro e utilizando uma tinta feita de água, pó de carvão e goma-arábica, o marabu-escrivão anotava conscienciosamente todas as histórias que escutava. O buscador e contador de histórias caminhava e pensava:
“Não me será possível recordar todas essas histórias.”
Mas o marabu continuava a ouvi-las e a escrevê-las.

Pois saibam que, uma vez tendo voltado para casa, o primeiro buscador e contador de histórias obteve a solução para o problema que o atormentava. Seguindo os conselhos do marabu, encheu de água uma grande cabaça e nela mergulhou todas as histórias escritas. Durante a noite, naquela cabaça, que na África é chamada de canari, as palavras escritas com tinta se dissolveram na água. No dia seguinte, na refeição da manhã, o marabu mandou que o buscador e contador de histórias bebesse todo o conteúdo do canari como desjejum.

Assim, todas as histórias bebidas tornaram-se histórias sabidas.

Se por acaso você precisar beber uma história, escute o meu conselho: beba tudo. Não deixe nada no fundo do copo, porque isso poderia dar um branco em sua memória.

Essa é a razão pela qual, em todos os tempos, os contadores de histórias sempre foram, também, bons bebedores de vinhos.  

Conto publicado no livro O Ofício do Contador de Histórias, de Gislayne Avelar Matos e Inno Sorsy

Related

tradição oral africana 806997872326822

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item