O poder Imaginário de uma Marca


“Não vemos a aura, mas podemos senti-la. O imaginário, para mim, é essa aura, é da ordem da aura: uma atmosfera. Algo que envolve e ultrapassa a obra” (MAFFESOLI, 1995, p. 75). 


Definir o imaginário não é uma tarefa simples, habitar ele com ideias e símbolos é mais complexo ainda.  Não é qualquer história que se conecta nesse nível de consciência com uma pessoa, tem que ser uma narrativa recheada do story e com o telling bem ajustado.

Um dos elementos que você deve compreender na hora de criar o story da sua narrativa são os arquétipos.  Para Jung, o Inconsciente é formado pela camada pessoal,  aonde estão experiências reprimidas e ignoradas de cada indivíduo; e o Inconsciente coletivo, que é povoada por instintos e imagens primordiais divididas e herdadas por toda a humanidade.

E através dessas imagens primordiais a psique cria fantasia todos os dias, ela serve como um tipo de organizador ou mediador dos nosso conflitos. Alguns estudiosos como Gilbert Durand defendem: "o imaginário constitui o conector obrigatório pelo qual forma-se qualquer expressão humana.”

É possível inspirar essa imaginação com sua marca, fazer com que ela resida na ponte entre real e ficional na mente humana e tornar elas parte de experiências emocionantes da vida de qualquer pessoa. Esse é o poder do Storytelling, com S Capitular.

Agora em janeiro você terá uma oportunidade de embarcar no mundo das narrativas de marca através do curso Inovação em Storytelling na ESPM - SP. Acesse, conheça e se inscreva aqui -  www.espm.br/storytelling

Related

OS CONCEITOS DE STORYTELLING 3725545128052264847

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item