INVERTENDO OS PAPÉIS



Eu devo admitir que nunca fui uma pessoa muito visual, nem nunca me aventurei pelo mundo das artes plásticas. Sempre achei bonito e sempre quis saber desenhar, mas apenas isso, apenas uma vontade adolescente que vira e mexe volta a me assolar em dias de garoa e poucas palavras. Algumas  imagens, principalmente fotografias, me chamavam a atenção, mas sempre por causa de alguma coisa que eu nunca consegui entender, algum tipo de curiosidade difícil de controlar sobre aquele momento eternizado pelo pintor ou pelo fotógrafo.

Quando descobri minha paixão pela escrita e comecei a me jogar cada vez mais dentro de livros, blogs, textos e filmes eu percebi, meio que de maneira inocente que a escrita é visual e que o leitor deve conseguir imaginar a partir de suas referências pessoais o mundo que o escritor criou. Comecei a encarar as narrativas como quadros, um sequência de imagens como em um filme, construídas apenas com palavras, significantes e significados montando um universo de engenharia completa. Essa minha visão surgiu bem antes do storytelling entrar na minha vida, mas quando conheci a escrita de narrativas para a publicidade acrescentei técnica aos meus "quadros mentais" construídos a partir das imagens escritas por Carrol, Douglas Adams e muitos outros. Foi após conhecer o storytelling que entendi o importante papel das perguntas durante a criação de uma narrativa, por exemplo.

O vídeo abaixo me chamou a atenção e me convenceu a virar post por dois motivos, sendo que o primeiro é a simples inversão de papéis, ao invés de criar a imagem mental para a narrativa, criar a narrativa para a imagem mental. Segundo que o processo criativo apresentado, algo meio que "perguntas e respostas" é uma técnica útil e bastante usada para escritores em momentos difíceis de suas obras. Vale a pena ver o vídeo e terminar o feriado pensando em belas imagens e palavras.


Related

Tracey Chevalier 7951175196507517574

Postar um comentário

Comentários
0 Comentários

emo-but-icon

Lançamento

item